sábado, 21 de março de 2015

Trabalhando em Festival de Música!



Quer curtir um festival sem ter que pagar para entrar, comer e beber de graça e ainda ser pago por estar lá? Então fique atento para o próximo festival de música em alguma cidade australiana.

Vou comentar da minha engraçada experiência no Future Music Festival e Goodlife Music Festival (os dois foram produzidos pela mesma empresa) em Sydney mas existem outros eventos grandes (quando eu cheguei em Sydney aconteceu o Stereosonic mas não tive a oportunidade de trabalhar).

Pense em um evento GIGANTE com vários artistas famosos, ambiente GIGANTE e MUITA mas MUITA gente do mundo inteiro para curtir os shows durante dia e noite.

Bom vamos começar do começo (pleonasmo? talvez, mas é preciso definir as etapas aqui pois houve diversos começos nesse intenso processo hahaha). Fiquei sabendo do Future Music Festival por um colega brasileiro da minha escola que sabia que eu estava procurando trabalho. Ele me passou o site da empresa que realizaria o festival e no qual eu deveria aplicar para as vagas de bartender ou cashier ou waiter ou bar back.

Eu apliquei para a vaga 2 meses do evento acontecer e então esperei um bom tempo para ter uma resposta efetiva, na verdade quando eu apliquei eu recebi um e-mail dizendo que eu trabalharia no festival mas depois de um tempo recebi o mesmo e-mail novamente e comecei a ficar meio confuso sobre a autencidade da resposta hahaha.

Enfim, checava todo dia se o meu perfil no site da empresa tinha sido modificado ou atualizado, e por vezes isso aconteceu: um dia eu estava confirmado no Bar 1 como bartender, no outro dia eu estava no Bar 3 como bar back e isso me intrigava dia após dia, mandava e-mails para eles perguntando o que estava acontecendo, se eu iria trabalhar mesmo (sério, acho que eles odiavam receber meus imensos e-mails).

Uma semana antes do evento eu estava com a seguinte situação: Sábado no Bar 2 como Bartender e no Domingo no Bar 3 como Waiter. E foi com essa informação que eu compareci no encontro obrigatório (2 dias antes do evento) de todos os staffs no local que aconteceria o evento (Royal Randwick Racecourse - um jóquei com uma área maior).

Basicamente todos que iriam trabalhar foram lá confirmar presença, receber um manual de procedimentos, receber um mapa do local bem detalhado com todos os bares e áreas VIPs disponíveis e ouvir o big boss comentar sobre o evento (locais, horários, preços, salário, etc.) fornecendo dicas de como servir e abrir latas (verdade, ele disse que era bom levar uma moeda ou uma colher pois abriríamos mais de mil latas no dia e o nosso dedo não iria aguentar).

Reunião com todos que iriam trabalhar no evento
Mapa do local

Ao chegar em casa e checar meu perfil no site deles, adivinha? Me mudaram novamente! Um dia antes do festival!!! E o pior era que me mudaram para Waiter em um local chamado vendor, tentei achar no mapa fornecido mas não encontrei, sabia que não se tratava de bar ou algo do tipo e fiquei decepcionado por não poder mais usar meus conhecimento de como abrir latas por horas (hahaha). E a minha posição no Domingo tinha simplesmente sumido. Ou seja, eu não sabia o que eu iria fazer no Sábado, não sabia se conseguiria ao menos ver os shows e o pior era que eu não estava escalado para trabalhar no Domingo.

Future Music Festival

Artistas e preço do ingresso

O preço não era barato, não é qualquer um que consegue pagar pelo ingresso.

Ingresso mais barato: 150 dólares
Line-up

Chegando no evento

No dia do Future Music Festival eu cheguei no horário pré-determinado por eles, assinei meu nome, coloquei a pulseira de staff para ter acesso ao local e peguei uma das camisetas que somente os bartenders, waiters, cashiers, cocktails utilizariam com a esperança de trabalhar como um desses.

Enquanto os staffs entravam, eu e outras pessoas que iriam trabalhar em vendor esperávamos alguém vir nos buscar e dizer exatamente o que deveriamos fazer. Ninguém sabia o tipo de trabalho nem nada até que uma senhora pediu para acompanhá-la. Foi uma longa caminhada até porque o lugar é gigantesco.

Chegando no festival tudo estava sendo finalizado: sons, máquinas, bares, lojas, caminhões de comida. Ambiente sensacional, estava curtindo cada momento mas estava SUPER ansioso para descobrir o que iria fazer e começar logo o trabalho!

Trabalho diferente

Eis que somos levados em frente a 3 food trucks (caminhão de comida). Eu fiquei mega decepcionado de início, queria trabalhar no bar! A gerente desses caminhões que vendem comida para os clientes dividiu todos rapidamente e eu mesmo super decepcionado com a situação aceitei o desafio e a experiência (e que experiência!).

Tínhamos poucos minutos para aprender nossas tarefas e servir com qualidade e corretamente os clientes. Contarei da experiência no meu truck pois não reparei como foi separado nos outros.

Tarefas

As meninas tiveram que aprender como manipular o caixa (que não era simples), uma menina ficou responsável por fazer salsicha do hot dog e algumas frituras, um rapaz ficou responsável por fazer batata frita, frango, carne de carneiro e eu e mais outra pessoa preparávamos todos os lanches (hot-dog, lanche de frango, lanche de carne de carneiro), empacotar de diferentes jeitos cada tipo e colocar em exposição, limpar a chapa, repor refrigerante, agua e ingredientes que faltavam indo nos conteiners que ficavam atrás do caminhão).

Falando assim parece fácil mas de fato não era, ainda mais que depois de 1 ou 2 horas de festival a pessoa que me ajudava com os afazeres simplesmente foi embora. Queria MUUUUITO ter filmado tudo mas não consegui, mas vou ensinar vocês como era a linha de montagem.

Lanche de carne de Carneiro (lamb):

A carne é como se fosse carne moída mais grossa. Primeiro tinha que pegar o pacote de lamb abrir e jogar tudo na chapa, depois de pronto colocar em duas vasilhas grandes para ficar fácil de pegar para a montagem do lanche.
  • Colocar de 12 a 15 suportes (do tipo hot-dog) enfileirados;
  • Colocar os pães (do tipo hot-dog) abertos em cada suporte;
  • Colocar alface cortada em tiras que ficava exatamente na frente da mesa em cada pão;
  • Pegar uma pá gigante, colocar a luva para não se queimar e colocar BASTANTE lamb em cada pão;
  • Colocar bastante molho de alho em cada um para finalizar (tinha que fazer parecer bonito hahaha);
  • Colocar os lanches em exposição (quando não tinha mais espaço na vitrine eu precisava empilhar pois o espaço era pequeno)
Valor: 12 dólares australianos

Hot-Dog:

Mais simples do que você imagina. Somente pão com salsicha, colocar em um plástico e depois em um saco que estava escrito "hot-dog", difícil não?

Valor: 8 dólares australianos

Lanche de steak de frango:

Nesse caso era um steak para cada lanche, eu não fervia o steak mas eu tinha que fazer todo o resto.
  • Pegar de 12 a 15 pães (do tipo Mc Donald, que possui a parte de cima com gergelim) e deixar a parte de baixo enfileirada;
  • Colocar alface (a mesma usada para fazer o lanche de carne de carneiro);
  • Colocar 2 tomates em cada pão (o tomate ficava exatamente ao lado da alface);
  • Uma fatia de queijo em cada pão (que eu tinha que repor constantemente);
  • Colocar o steak de frango;
  • Colocar bastante molho de alho em cada um;
  • Fechar todos os pães;
  • Colocar cada pão completo na metade de um papel e fazer um embrulho diferente;
  • Colocar dentro de um plástico;
  • Colocar os lanches em exposição.
Valor: 12 dólares australianos

TInha que fazer tudo isso com luva pois estava mexendo com comida e era MUITO difícil lidar com o plástico e a luva ao mesmo tempo hahaha. Sem contar a "mesa" que era minúscula e tinha que estar limpa o tempo todo, assim como a chapa. Não aguentava muito tempo o peso da pá grande para pegar o carne de carneiro e ficar ali de pé no bafo quente da chapa me dava a sensação de que o Sol estava cada vez mais perto.

No nosso truck tinham 2 pessoas que já trabalhavam nessa empresa há algum tempo e eles que nos ensinaram a fazer tudo (e trabalharam o tempo todo com a gente). Uma menina de Melbourne (australiana) e um italiano (aliás, tinham vários italianos trabalhando para aquela empresa de lanches! Não há como negar, eles são muito parecidos com brasileiros não só trabalhando mas também brincando com todo mundo).

Visão do Festival e Hard-Work

Tínhamos uma visão previlegiada dos shows! Palco principal na nossa esquerda e palco secundário na nossa direita (quase na nossa frente). Conseguíamos ver o movimento de um dos bares (que não estava nem um pouco cheio) e o fluxo de pessoas indo e vindo, além de ver um dos "brinquedos" instalados (uma espécie de Evolution - para quem lembra dos tempos de Playcenter). Eu dizia que era camarote VIP ali pois tínhamos água de graça, sombra e música! Mas não por muito tempo....

Palco principal, brinquedo e palco secundário
Palco secundário, tendas redbull e bares

No começo estava BEM tranquilo, mas depois o fluxo começou a aumentar e a produção ficou quase sequencial, eu não parava. Os italianos estavamos me chamando de "Pelé" dos lanches de tão concentrado que eu estava fazendo e ficando mais rápido hahaha. Foi então que eles me proporcionaram o meu primeiro break de 30 minutos e eles disseram que eu poderia comer e beber qualquer coisa e o quanto eu quisesse! Foram falar justamente para o maior faminto da face da terra! Comi MUITO e aproveitei para ir mais perto dos palcos, a energia era intensa, muita gente e acabei reparando nos bares que não estavam tão animados quanto o meu caminhão italiano de comida.

Fiz as contas e se eu tivesse que pagar pelos lanches desse break eu teria que gastar uns 45 dólares ou mais. Voltei no horário combinado pronto para fazer mais lanches e falar que só o Brasil era pentacampeão mundial.

Trabalhei MUITO mas também curti o festival, vi os shows do Avicii, Drake e outros artistas famosos (que eu não fazia ideia do nome mas conhecia as músicas haha).

A gerente veio falar comigo perguntando se eu gostaria de trabalhar no outro dia com eles pois ela tinha gostado do meu trabalho, eu disse que não fui chamado e ela garantiu que conseguiria minha posição ali novamente. Fiquei feliz e depois disso tive mais um break de 30 minutos e é claro que comi uns 50 dólares (já estava de noite, sabe como é...hahaha).

O que é justo? Negociando em inglês

A holandesa que estava trabalhando no caixa na minha frente precisava ir embora para pegar o ônibus pois já estava tarde e foi aí que tudo que eu tinha passado de bom no dia resultou em decepção novamente e vontade de fazer justiça.

Quando ela foi receber o dinheiro das horas trabalhadas, informaram para ela que era 20 dólares por hora mas, nos e-mails, site e na própria reunião de staffs foi informado que receberíamos 25 dólares por hora. Até mesmo no e-mail de confirmação estava "Vendor - $25". Ela mostrou todos esses comprovantes e a gerente surtou dizendo que ali era 20 dólares no máximo. Não satisfeito eu entrei na discussão pois eu ODEIO pessoas que tentam enganar as outras. Enfim ela ligou para o dono da empresa que realizou o evento e ele veio até nós para conversar. Eu estava impaciente, as vendas tinham acabado e todos estavam limpando apenas, por esse motivo não estava mais realizando minhas funções.

Quando ele chegou a gerente me chamou para conversar, a holandesa estava quase chorando e eu juro  que gostaria muito de um advogado nessa hora para apoiar meus argumentos. O dono e mais 3 pessoas vieram falar diretamente comigo dizendo que eu estava errado e que 20 dólares por hora era um bom dinheiro, e que 25 dólares é apenas para quem trabalhou nos bares. Eu reivindiquei dizendo que o problema não era o dinheiro e sim o fato de que eles não avisaram previamente, de que enganaram mandando e-mails confirmando o valor da hora e outras coisas. Enfim, primeira grande discussão em inglês! 

Deixei a gerente bem desconfortável pois ela não sabia o que falar, na verdade eles tentaram me enrolar e a última coisa que ouvi foi "não posso controlar o envio de e-mails de forma errada", putz... depois disso eu parei, sabia que NUNCA iria ganhar a discussão. 

Disse que aceitaria os 20 dólares pela hora trabalhada e a gerente com muita raiva disse: "Pode voltar e limpar tudo, chega de perder tempo falando besteiras aqui". Agora imagina minha cara voltando, imagina minha cara olhando para as pessoas, imagina minha força de vontade para trabalhar... Ouvi várias pessoas falando de mim e da minha atitude pelas minhas costas, isso não me abalou e após limpar tudo me dispensaram pagando os 20 dólares por hora trabalhada (10 horas).

Decepção mas cabeça erguida

Saí de lá com a sensação de derrota, gosto amargo na boca e orelha vermelha.
Me juntei a multidão que estava saindo da arena e não consegui prestar atenção em ninguém, nem mesmo nos sons ou até mesmo para onde eu estava indo, nem sabia se era o caminho da saída... eu estava revoltado e só pensava na injustiça ocorrida.

Peguei o ônibus FREE para a cidade (pois o evento disponibilizava juntamente com a polícia e o governo) e cheguei em casa esgotado porém não estava vencido! Eram 11 da noite e eu mandei um e-mail para a gerente do grupo que organizou o evento dizendo que estava muito interessado em trabalhar no próximo dia, estava disposto a fazer qualquer coisa (não era a primeira vez que eu mandava e-mail diretamente para ela). Ela me respondeu prontamente e disse apenas para eu chegar o mais cedo possível.

Goodlife Music Festival - a volta por cima!


Esse é um festival de música igual ao Future Music Festival porém é destinado para jovens (entre 13 e 17 anos), ou seja, nada de bebida alcoólica sendo vendida e alguns artistas diferentes, mas o local é o mesmo.

Line-up

A espera

Não demorei para chegar novamente no jóquei e fui direto para a tenda da empresa para informar sobre a minha presença.

Dessa vez não tinha camiseta e eu tive que esperar sozinho, vi os colegas que trabalhavam comigo entrar para mais um dia de trabalho fazendo lanches mas eu não queria mais trabalhar lá, não era nem por conta do trabalho era por conta do clima que ficou e da falta de clareza com os funcionários. Mas enfim, lá estava eu denovo pronto para mostrar trabalho, pronto para trabalhar em equipe, para ser profissional.

Eu acho que esperei quase 2 horas e 30 minutos ali até que me chamaram para conversar. Disseram que eu precisaria ter um inglês bom e a gerente estaria me esperando em uma área reservada (me mostraram no mapa), coloquei a nova pulseira de staff e fui ao encontro dela.

Novo local! Aonde fica?

Era um lugar isolado e não tinha nenhum acesso, perguntei para 3 pessoas como chegar lá e ninguém soube me responder até que eu decidi pular a grade e não depender de caminhos fáceis, queria trabalhar, estava perdendo tempo!

Quando cheguei na área vi várias tendas juntas, MUITOS contêiners e descobri que ali ficavam todos os artistas, era a área do backstage, camarim, tudo bem privativo e ali encontrei o espaço da empresa. Não achei a gerente, ela me achou me deu um crachá e disse para eu ajudar no contêiner maior que estava em um local bem visível por todos.

Crachá VIP - acesso a todas as áreas

Equipe VIP

Ao entrar no contêiner refrigerado vi que ali estavam todas as bebidas dos artistas separadas por nome e o trabalho ali era juntar e organizar da melhor forma possível para disponibilizar facilmente as bebidas quando necessário.

Dentro do contêiner
No início pensei que ficaria ali (e para mim já estava bom, falando em inglês e como o sol estava forte eu também aproveitava a temperatura de dentro do contêiner) mas não, eu estava basicamente na equipe que lidava com todos os artistas e suas equipes. Todos australianos e EU, um brasileiro (guerrero australiano, porque não?) aprendendo a ser uma pessoa e um profissional melhor.

O mais engraçado era preparar a lista de bebidas de cada artista, tinha de tudo e algumas coisas bem estranhas como 1 coca-cola zero, 12 gatorades, 3 laranjas e 2 garrafas de LEITE! hahaha Eu juro que tentei tirar foto da lista mas não deu muito certo. Fora isso tinha que separar as toalhas de cada um e depois entregar pessoalmente para eles.

Corredor com todos os camarins (a foto está de lado)
Alguns artistas eram bem simpáticos mas a conversa não durava muito tempo pois eles estavam se preparando para entrar em ação e concentrar era fundamental. Eu não conhecia a maioria mas depois ouvindo as músicas consegui identificar.

O trabalho no dia foi muito recompensador, além de fazer algo importante e estar trabalhando diretamente com a gerente, eu aproveitava para comer e beber no bar exclusivo e melhorar meu inglês com os australianos. Nesse dia eu senti meu inglês melhorando MUITO! Inglês australiano é muito difícil de entender, pior ainda quando você está em um ambiente que além do inglês difícil (quebrado muitas vezes) eles utilizam diversas gírias que só existem na terra dos cangurus.

Lembram do dono da empresa que discutiu comigo no dia anterior? Pois é, encontrei ele novamente só que dessa vez eu estava trabalhando com sua gerente. Na verdade eu fiquei frente-a-frente com ele quando começou a ventar muito, chover forte e tivemos que desmontar as tendas que estavam do lado de fora. Eu acabei ajudando muito nessa parte fazendo uma grande parceria com ele, com certeza ele lembrava do meu rosto, da minha voz, do meu jeito brasileiro de ser e de querer os meus direitos.... o mundo dá muitas voltas e dessa vez não demorou para nos encontrarmos novamente e eu ajudei ele sem mágoas ou rancor e pela primeira vez nesses dois dias eu recebi um MUITO OBRIGADO AMIGO.

O evento foi cancelado pois a chuva estava forte e o vento mais forte ainda, por esse motivo eu e minha equipe (3 australianos) fomos dispensados. Agradeci imensamente a minha gerente do dia que se mostrou não só extremamente profissional como também um exemplo de ser humano tratando todos da mesma forma e merecimento (claro que quando eu cheguei em casa eu enviei um e-mail para ela descrevendo tudo isso - feedback positivo também é feedback!). Fui de carona para casa e dessa vez estava com o sentimento de dever cumprido, feliz e com muita história pra contar.


"Big Festival, big city, big experience"
Filipe Guerrero Analista de Projetos/Processos

Nenhum comentário:

Postar um comentário