quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Saudades e a Dúvida



Primeiro eu queria dizer que não é fácil manter um blog atualizado, conheço muita gente que começa e depois larga o blog, você precisa ter MUITA paciência para sentar e escrever, mas no meu caso escrevo para lembrar de todos esses momentos (bons e ruins) e deixar minha família atualizada sobre o primeiro mundo.
De fato eu tenho mais 5 artigos para terminar, mas hoje esse surgiu mais forte e passou na frente de todos os outros pois é sobre mim, sobre os diversos sentimentos e como eu disse no começo desse blog, eu estou me colocando em primeiro lugar na minha vida (ou pelo menos tentando...é difícil hahaha).

Saudades

Que tipo de saudades você já passou na vida? Saudades da família, dos amigos(as), da(o) namorada(o), dos(as) amigos(as) de infância, das coisas que você costumava fazer, do seu quarto, da sua casa, das pessoas que não estão nem aí para você mas você continuava correndo atrás... enfim, saudades é igual no mundo todo e uma hora ou outra esse sentimento vai chegar até você, então prepare-se.

Sim, a Austrália é sensacional! Melhor país de todos, sem comparação! Tudo aqui é perfeito e você vai ter uma ótima vida aqui, mas quando eu falo de saudades não é sobre um lugar, uma cidade, é sobre pessoas... se eu pudesse eu pagaria a passagem para essas pessoas que sinto falta virem para cá.

Claro que fiz grandes amizades aqui e como eu disse anteriormente construí uma pequena família e fiz amigos pelo mundo todo (inclusive brasileiros), mas as pessoas nem sempre estão do seu lado, ou têm uma vida muito afastada da sua, pensamento diferentes e aí você repara que as pessoas também vão embora de volta para seu país de origem (ou para outro) e é impressionante como nesse momento de solidão você pensa nas pessoas (não muitas) que você deixou no Brasil para enfrentar esse desafio na sua vida (dessa vez não estão do seu lado para ajudar mas de uma forma ou de outra você sabe que estão torcendo pelo seu sucesso).

Existem certas pessoas na minha vida que são INSUBSTITUÍVEIS. Pode falar o que for mas eu sinto SIM muita falta, fui criado assim e sei do valor de cada um.

Esses dias falei com uma pessoa no Brasil que disse:"Filipe qual é a razão de você ficar pensando nas pessoas no Brasil? Você está em um dos melhores lugares do mundo, aproveite!"
Claro que estou aproveitando, DEMAIS, mas desculpa eu não sou um robô para esquecer as pessoas que fazem a diferença na minha vida.

Dica: Desapegue-se das pessoas no Brasil e também não pense na família. Se descobrir como fazer isso me avise por favor hahaha. Impossível.

É, hoje o dia foi meio pesado para mim pois só consegui pensar nisso (em inglês também haha) e como não estava muito bem acabou surgindo a famosa dúvida.

Dúvida cruel

Antes de vir para a Austrália eu li MUITO sobre o país e MUITO mais os depoimentos das pessoas que moram ou moraram aqui (é ótimo para você se acostumar e chegar um pouco mais preparado para cá). Eu vi muitas pessoas dizendo que estavam com dúvida sobre continuar morando aqui ou voltar para o Brasil. Fiquei bem confuso na época pois não entendia o real motivo das pessoas voltarem (sem ser por conta de dinheiro ou por conta de ter que terminar a faculdade ou voltar para o trabalho). Tudo bem que existem zilhões de motivos diferentes (que vou comentar em outro post) mas o principal é por conta de saudades (seja por pessoas, tipo de trabalho, comodidade) e eu só fui notar isso aqui.

A vida na Austrália é ÓTIMA mas também não é fácil, você precisa encarar desafios todos os dias, abrir sua mente para novas ideias, lidar com todos os tipos de pessoas/culturas e trabalhar em empregos que você nunca imaginou para conseguir se manter aqui (muitas pessoas não conseguem atuar em suas áreas e preferem voltar para o Brasil e trabalhar naquilo que estudou - é um risco pequeno, mas continua sendo um risco).

Semana passada na minha classe estavamos discutindo sobre mudanças, não só no mundo como em sua vida pessoal e profissional. É incostestável, você precisa mudar para se sentir mais vivo, se sentir mais responsável, se sentir mais capaz e da mesma forma adquirir novo conhecimento, amadurecer e ser exemplo para outras pessoas. Mas sabemos também que para você mudar há um grande processo de reconstrução e as pessoas têm medo de mudança pois não conseguem avaliar o risco, impacto e profundidade da causa e preferem continuar na zona de conforto.
O motivo de eu falar sobre mudança é que pensar no Brasil (ou em uma possível volta) acaba caracterizando uma mudança também. Tudo novo denovo! Emprego MUITO melhor (por conta do inglês fluente, experiência profissional no exterior), Pensamentos avançados (por conta da convivência com outras culturas e crenças), Ideias inovadores (pessoalmente e profissionalmente falando), etc...

Não, não estou definido a fazer nenhuma escolha nesse momento mas hoje foi um dia que eu coloquei os pensamentos na balança depois do momento de "saudade". Pensar em todas as opções é muito bom mas também não é fácil pois você normalmente opta por uma mais que a outra.
A minha decisão ou não vai depender muito de como vou lidar com isso (ou como as pessoas vão lidar também haha), só não quero atrapalhar a vida de ninguém! Hahaha!

Fato!
Qual o motivo de eu estar pensando em tudo isso se nem 2 meses de Austrália eu tenho? Eu penso 24 horas por dia em planejamento (tudo para mim é projeto haha), gosto das coisas bem planejadas e certas como matemática. É... essa frase me descreveu como chato pra caramba! hahaha.

Enfim, eu AMO a Austrália assim como AMO pessoas no Brasil, alguma ideia para juntar os dois? Hahahaha quem sabe um dia.

Obs: Desculpa pelo texto chato mas eu precisava registrar esse momento para a posteridade! Só escrevi, não pensei e nem reli o texto.

"Nem teus piores inimigos podem fazer tanto dano como teus próprios pensamentos"
Filipe Guerrero Analista de Projetos/Processos

Nenhum comentário:

Postar um comentário