domingo, 19 de outubro de 2014

Introdução - Tudo tem um começo...




Começo esse texto lembrando como é importante ter um foco/objetivo na vida, ninguém consegue viver sem metas e muito menos sem arriscar na vida.

É estranho pensar que um dia eu mudaria alguns muito planos de vida para chegar a esse ponto, porém, "não tenho vergonha de mudar de ideia pois não tenho medo de pensar".

Vamos parar de enrolação e mistério! hahah. 

Bom, acho que para contextualizar preciso dizer que 2013 foi um dos melhores anos da minha vida como também um dos mais trágicos. Trágico no sentido de perder meu avó por parte de pai no começo do ano e minha avó por parte de mãe no fim do ano, além de alguns acontecimentos que não merecem serem mencionados aqui; bom no sentido de ter proporcionado uma das melhores sensações da vida que é pular de paraquedas (sério, não deixe para depois e PULE agora mesmo! Adrenalina a mil por hora e o sentimento de liberdade é indescritível) e fazer um mochilão pela a América do Sul (Argentina, Chile, Peru e Bolívia em 30 dias. Foi sensacional e apesar de passar muitos perrengues pude ver como ficar só no Brasil, só no meu mundinho era algo muito egoísta). Enfim, 2013 foi um ano com todos os tipos de emoções possíveis, boas e ruins, novas e antigas, rápidas e intensas...acabaram amadurecendo muito não só os meus pensamentos como também meu foco de vida, minha felicidade em si. 

Ao voltar do mochilão eu sabia que precisava fazer outro e mais um e mais uns 37 no mundo todo, não queria parar, a variedade de cultura, aprendizado, planejamento no qual eu tive que me dedicar me levou a confirmar essa sensação de querer abraçar o mundo e poder, de alguma forma, ajudar as pessoas e ser um ser humano melhor e mais sábio.

Logo no começo de 2014 eu tinha certeza que precisava passar um tempo fora do Brasil, me dedicar a outra cultura, voltar com uma cabeça mais centrada e direcionada para meus objetivos… estava muito nervoso, irritado, desconfiado e triste por muitos motivos:

  • Jeitinho brasileiro negativo (infelizmente esse “jeitinho” é a forma malandra do brasileiro de se aproveitar das situações e não seguir regras simples de conduta e convívio como furar fila, não respeitar os idosos nos transportes públicos, não dizer “desculpa”/”obrigado” e olhar somente pra sua própria vida e benefício próprio, etc) - isso sempre me deixou bravo e ao mesmo tempo triste pois sei que nós brasileiros somos um povo super acolhedor e simpático mas no dia a dia sendo assim as coisas poderiam ser um pouco diferentes;
  • Transporte Público (eu sempre andei de transporte público e sempre vivenciei cenas de todos os tipos, mas o que eu posso falar é que o brasileiro sofre DEMAIS com esse transporte e a falta dele, não há melhora e o povo acabou se “acostumando” com a situação pois nossos governantes não atuam da maneira esperada);
  • Governantes (difícil tema a ser tratado mas basicamente eles desaceleram o desenvolvimento da população, parecem que possuem medo de uma educação de qualidade para o povo como um todo);
  • Valores (em toda minha vida construí uma gama de valores muito característicos e que envolvem ética, cidadania, sinceridade e compaixão. Nesse momento de vida pude notar que muitas coisas iam contra todos os meus valores em diferentes linhas da minha vida… mas eu só fui notar isso mais ou menos em julho de 2014); 

Com certeza existem vários outros motivos fortes, porém, como só estou escrevendo tudo isso agora vou lembrando dos outros e comento aqui também. Além do que esse não é o foco do blog.

No primeiro semestre de 2014 existiam mais 2 fatos que impediriam (momentaneamente) meu desejo de ir morar no exterior: pós-graduação e namoro. E com o término dos dois acabei tendo um novo tempo para pensar na minha saga! Mais uma vez tive duas sensações opostas nos dois términos: concluído e indefinição, vitória e derrota, alegria e tristeza. Confesso que a tristeza foi maior no caso, mas como todo mundo o tempo passa e a gente aprende a superar não só a um relacionamento mas também todas as coisas na vida.

Desde então comecei a verificar o que realmente eu gostaria de fazer… eu não queria viajar de férias só 30 dias e voltar pro meu computador e fazer as coisas de sempre e esperar mais um ano pra poder tirar mais 30 dias, isso martelou muito na minha cabeça….a vida é curta demais para ficar no mesmo trabalho, com as mesmas pessoas, juntar um dinheiro, comprar uma casa, se aposentar e morrer (sério, eu sou totalmente o oposto disso, quero curtir ao MÁXIMO a vida! Não que trabalhar no mesmo lugar e fazer as mesmas coisas seja errado, mas para a minha pessoa é muito pouco, preciso ir além disso).

Comecei a perceber que alguns valores meus estavam um pouco esquecidos ou até mesmo distantes e me senti frágil e incapaz de muitas coisas, muitos diziam que era por conta do fim do namoro, outros diziam que era o trabalho, outros diziam que era problemas graves na família….não era nada disso, era simplesmente EU. Não estava dando o devido valor e atenção ao Filipe e sim a felicidade, prazer, objetivos dos outros...ver os outros felizes por conta de alguma ação minha ou algo que eu tinha feito me fazia bem? COM CERTEZA! e até hoje sou assim, mas estava faltando olhar mais para a felicidade do Filipe, a evolução, a vontade… eu não sabia o quanto tinha evoluído não só profissionalmente, mas pessoalmente e mentalmente também, não era mais só o menino que sabia imitar o Pato Donald (rsrs).

Então resolvi voltar a ser o Filipe de sempre (agora com mais foco e objetivo), sabia que algo grande poderia acontecer tendo em vista que o caminho simples nunca me atraiu...fui muito mais incisivo com meus pensamentos e comecei a planejar meus próximos saltos (pois passos estavam fora de cogitação).

Em meados de Julho/14 tive a CERTEZA de que iria morar e estudar fora do Brasil. Já sabia país e tudo mais...e nesse momento comecei a pesquisar e estudar muito sobre essa nova etapa que mudaria TUDO na minha vida. Se eu pudesse iria na semana seguinte de tão confiante que estava, a sensação de MELHOR escolha pro meu futuro ainda é muito grande mas de Julho até Setembro muitas coisas passaram pela minha cabeça e GARANTO, não é fácil fazer uma escolha dessas quando se tem um trabalho muito bom, ter acabado de terminar a pós, grande estabilidade financeira, amigos próximos que posso confiar sempre e a família sempre ao lado pro que der e vier….. pois é, tem que ter MUITA coragem e não arriscar por arriscar (eu chamo de “arriscar planejado”, não é a toa que eu fiz pós-graduação em Gestão de Projetos hahahaha).
Filipe Guerrero Analista de Projetos/Processos

2 comentários:

  1. Parabéns pelo blog, Filipe, li todos os posts e me identifiquei bastante com o motivo pelo qual desencadeou a sua vontade de morar fora.
    Estou indo para a Australia tb em Março, ficar 7 meses estudando inglês. A mesmice, o mundinho e o estilo workaholic de mts de meus amigos criaram em mim uma aversão à esse estilo de vida, to caindo fora pra ver o mundo, sair da zona de conforto e abrir a minha mente para novas idéias!
    forte abraço e espero que esteja td bem aí no outro lado do mundo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você está fazendo a MELHOR ESCOLHA DA SUA VIDA! Parabéns pela coragem, pois não é qualquer um que consegue ter essa decisão, mas não tem erro! Por mais dificuldades que você possa passar por aqui (espero que não passe por nenhuma), você vai notar o quanto valeu a pena. Não só em relação ao estudo do inglês, mas também em relação a evoluir como pessoa, ser humano e também entender um pouco mais sobre você mesmo.
      Ideias? Estão surgindo a cada minuto aqui! Hahaha! Prepare-se para a melhor experiência da sua vida!
      Se vier para Sydney dá um alô que eu ajudo no que precisar aqui também!
      Grande abraço e boa viagem!

      Excluir